Home > Notícias > Artigos > CVM publica instrução para zelar pela transparência dos fundos
 

Segundo presidente da autarquia, será possível comparar diferentes tipos de fundos

Deve ir à audiência pública ainda este ano a nova instrução sobre fundos de investimentos que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) publicou recentemente.

O ambiente econômico brasileiro atual não é nada favorável à gestão de riscos de liquidez, pensando nisso a autarquia, através da instrução, pretende amenizar os pontos fracos dos fundos, principalmente quando o assunto é a transparência das operações. “Fazer a gestão nesse novo cenário demanda uma diligência ainda maior, e a gente está trabalhando com os parâmetros de gestão de liquidez, nessa proposta de norma que vem para audiência pública. O outro parâmetro é dar mais transparência ao investidor”, comenta Maria Helena Santana, presidente da CVM.

O objetivo da autarquia é transformar os fundos de investimento em um produto passível de comparação com os outros da mesma espécie, para isso deverão ser inseridos no informe anual enviado aos cotistas os detalhes de todas as despesas operacionais que têm impacto sobre a rentabilidade líquida, por exemplo, o que é pago a quem. “É uma informação que não é fornecida e, quando é, não permite a comparação com outros produtos”, disse Maria Helena.

Além disso a CVM pretende determinar que na hora de oferecer o fundo, as corretoras, bancos e afins forneçam mais informações que atualmente, como também tem planos para os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC). Segundo a presidente da autarquia, haverá uma padronização nas demonstrações contábeis que permitirá melhor compreensão e comparação entre diferentes fundos. “Estamos preparando ainda alguns aspectos dessa norma que lidam com o conflito de interesse entre os diversos prestadores de serviço que trabalham para a existência de um FIDC, além de recomendações internacionais que vieram da crise”, conclui a presidente.

Fonte: Valor Econômico